7 de fevereiro de 2015 – 7:31 | Sem comentários

Olá Crianças,
Para mim o ano começou ontem. Após um longo período de uma tortura mental, psicológica e financeira, meu ano começou…
Desde a copa de 2014 que as coisas começaram a definhar para mim e, talvez …

Continue lendo »
Crônicas

Humor

Pessoal

Poemas

Software Livre

Home » Crônicas

A degradação da sociedade – Não dê o peixe, ensine a pescar!

Escrito por em 29 de março de 2011 – 9:45

Comecei a trabalhar muito cedo, com sete anos de idade meus pais me levavam para trabalhar nas lavouras após eu voltar das aulas e com doze anos de idade eu comecei a trabalhar sozinho. De início cortando grama dos jardins dos vizinhos, depois aprendi a limpar piscinas, podar árvores, criar canteiros de flores e outras coisas mais.
Naquela época não se ouvia falar de exploração infantil, talvez por isso eu seja o homem que sou. Hoje com 40 anos de idade eu tenho a certeza de que nunca fui explorado pelos meus pais, pelo contrário, o que me deram foram instruções de como sobreviver com meu próprio suor e a dar valor naquilo que eu ganhar.
Minha família sempre foi humilde, passamos por muitas dificuldades mas nunca precisamos de ajuda de governo para nos livrar dos “perrengues” que passamos.
Não sou rico, financeiramente falando, mas me julgo rico pela formação moral que tive pelos meus pais.
Hoje posso avaliar o nosso país com olhos de quem tem história para contar, não com olhos de quem está começando sua história.
Peguei o finalzinho da ditadura em nosso país, vibrei com a chegada da democracia no Brasil, vi os caras pintadas invadindo ruas para derrubar um governo, vi nosso país perdendo bons políticos e também vi nascendo os péssimos. Vi dança da pizza, dólares na cueca e escândalos dos mais diversos. Vi um operário chegar à presidência de uma grande nação e até chegar a primeira mulher presidente do Brasil.
São tantas coisas que vi em minha vida e isso apenas politicamente, mas o que mais me assusta e me faz pensar onde vamos parar é falta de moral, honestidade e civilidade dos nossos compatriotas.
Recentemente foi eleita a primeira presidente do Brasil, uma das suas propostas é a erradicação da pobreza, mas acabar com a pobreza distribuindo cestas e dinheiro para essas famílias?
Não me parece ser a forma correta de agir. É o verdadeiro cobrir um santo descobrindo outro.
Sem dizer que hoje, muitas pessoas preferem ganhar o pouco do governo sem fazer nada, do que ganhar um pouco mais fazendo algo.
Alguém tem de pagar essa conta e esse alguém são aquelas pessoas que estão trabalhando e produzindo. Mas até quando essas pessoas irão suportar isso?
Educação, saúde e segurança são os três pilares para se ter um povo produtivo.
Sem educação não haverá como esse povo produzir, pois não há capacitação.
Sem saúde também não há produção. Como pode alguém doente produzir algo?
A segurança também é parte disso, pois fará o cidadão trabalhar tranquilamente sem ter que se preocupar se seus bens serão levados por bandidos.
Mas hoje o cenário é diferente, ser pobre e analfabeto é moeda de barganha para políticos inescrupulosos que usam da inocência de uns e ganância de outros para tomarem proveitos de seus apoios em suas campanhas mentirosas e nefastas.
Em 1984, Adrian Rogers, um pastor Batista dos Estados Unidos, disse o seguinte:

O que uma pessoa recebe sem precisar trabalhar, outra pessoa precisa trabalhar sem receber.
O governo não pode dar a ninguém algo sem antes tirar algo de alguém.
Quando metade das pessoas entende que não precisa trabalhar porque a outra metade vai cuidar delas, e quando a outra metade entende que não vale de nada trabalhar, porque um outro vai receber pelo trabalho, meu amigo, é o começo do fim de qualquer nação. Você não pode multiplicar a riqueza pela sua divisão.

Esse pensamento cai como uma luva para nossos governos que usam “bolsas misérias” para manterem sob seu jugo essa grande população. Enquanto isso aqueles que produzem continuam a trabalhar por dois ou três, até que, quem sabe, um dia mudem de lado pelo cansaço dessa tarefa.

Assim que você confiar em si mesmo, você saberá como viver. – Goethe

Comments are closed.