7 de fevereiro de 2015 – 7:31 | Sem comentários

Olá Crianças,
Para mim o ano começou ontem. Após um longo período de uma tortura mental, psicológica e financeira, meu ano começou…
Desde a copa de 2014 que as coisas começaram a definhar para mim e, talvez …

Continue lendo »
Crônicas

Humor

Pessoal

Poemas

Software Livre

Home » Crônicas

A degradação da sociedade – Polícia para quem precisa de polícia

Escrito por em 19 de maio de 2010 – 13:07

Não é de hoje que a segurança pública está uma vergonha, no ano de 2006 o Brasil sentiu na pele o que é ser impotente frente ao crime organizado, diga-se de passagem muito bem organizado.
Em maio daquele ano o PCC simplesmente tomou conta das ruas de São Paulo deixando um rastro de destruição e terror.
A própria polícia se sentiu acoada a ponto de formar barreiras frente às suas estruturas e todo o efetivo fora colocado em alerta para eventuais ataques e retaliações. Isso não impediu que ônibus fossem queimados, bancos incendiados, bases de polícia alvejados, comércios e escolas fechados, shoppings centers e até fóruns e prefeituras também sofreram.
Os números também foram tão altos quanto os prejuízos causados pelos ataques. De acordo com a secretaria de segurança pública, morreram 152 pessoas, das quais: 107 criminosos, 41 policiais ou agentes de segurança e 4 civis.
Isso são dados de baixas em guerras, mas não era uma guerra, pelo menos não declarada a um país ou uma  guerra civil. Tratava-se simplesmente da perda de controle da polícia frente aos bandidos que, mesmo com muitos chefes encarcerados, eram muito mais organizados que a própria organização da polícia.
No meio desse confronto o cidadão de bem se sentia impotente, e sente até hoje, pois a degradação do nosso sistema de segurança é caótico, precário e falho.
Há muitas pessoas boas e que entregam suas vidas em prol de desconhecidos, mas há também a parte podre que se misturam a essa bandidagem e viram bandidos de fardas. A população, por sua vez, não sabe a quem recorrer. Deveriam recorrer ao poder público, mas por muitas vezes recorrem à “proteção” de marginais, já que nas periferias as comunidades são esquecidas e os bandidos acabam por tomar conta de espaços que deviam ser patrulhados, vigiados e servidos por homens da lei. Deviam ser protegidos por policiais bons e honestos e não terem que se sujeitarem as vontades dessa corja que julgam-se donos dos locais onde vivem.
No dia 14 de maio de 2010 uma senhora foi o alvo de bandidos que a roubaram dentro de uma delegacia na cidade de Salto, interior do estado de São Paulo. A ação dos bandidos fora vista por funcionários do posto policial que nada fizeram, ainda tiveram a audácia de dizer que julgavam ser uma briga de marido e mulher.
E se fosse? Não seria obrigação dos mesmos manterem a ordem e paz dentro do estabelecimento? Mas não foi isso que fizeram.
O que mais me indignou foi a entrevista com o secretário de segurança que, simplesmente aconselhou o delegado a contratar uma segurança privada, sim, isso não é piada. Que deviam ter contratado uma segurança privada para tomar conta de um patrimônio público de segurança, porque  não tinha segurança num local de segurança.
Por que então não entregamos de vez a segurança pública para a privada? Por que não extinguimos as polícias e voltamos à época em que cada um tomava conta de sua própria segurança?
É um tremendo absurdo que isso seja lido, visto e noticiado no mundo todo em pleno século XXI.
O que podemos esperar para nossas gerações futuras com a situação atual?
Não quero ser pessimista, até mesmo porque se eu me entregar não há mais nada que eu possa ensinar a meus filhos, irmãos e pessoas que amo. Mas a situação se torna cada dia mais difícil e cada vez mais me pergunto se haverá solução para isso num período médio e até a longo prazo?
Mas assim vamos vivendo nossos dias, sempre pedindo a uma força maior para nos proteger de situações que possam por em riscos nossas vidas. Porém o que mais me assusta é que o cerco se fecha cada vez mais. Dia a dia vemos situações mais próximas de nós que nos fazem perceber que podemos ser os próximos desta longa lista de vítimas. As pessoas eleitas por nós brincam de política enquanto o cidadão de bem se acoa em suas casas cercadas por grades cada vez mais fortes e resistentes que os presídios que deviam abrigar essa corja de mal feitores.
Resta a nós contarmos os mortos e feridos e torcer para não sermos os próximos desta triste estatística.

Creia em Deus, mas fechem portas e janelas

Comentar!

Comente abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar esses comentários via RSS.

Seja educado, mantenha-se no tópico e sem spam.

Você pode usar estas etiquetas:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blog usa Gravatar. Para ter seu avatar global, registre-se em Gravatar.